22 de mai de 2013

Proseando para os meus filhos...



   Com toda a certeza, a melhor coisa que aconteceu na minha vida, foram os meus filhos!
   Lembro-me da expectativa antes da gravidez, do planejamento, das inúmeras tentativas de fecundação...
   É engraçado lembrar...
   Parecia uma eternidade os nove meses que tive que esperar para ver o primeiro rostinho do amor pleno em minha vida. E eu acertei no nome: Marina!
    Hoje, ela é meu porto, onde me abrigo e me refaço...
    Minha Marina é segura, centrada, estudiosa, meiga, gentil, amorosa e às vezes um tanto explosiva e irritada...
    Eu poderia descrever Marina em milhões de adjetivos, porém não é preciso... Marina não é só adjetivo, Marina é pura poesia!
    Quatro anos depois, engravidei pela segunda vez; uma gravidez tão difícil quanto meu o casamento que já se desfazia... E assim eu intercalava a perda da confiança com a perda do líquido amniótico, o aumento da decepção com o aumento da pressão arterial...  Até que com 4, 100 kg chegou o Pedro, impondo o peso do seu valor em minha vida.
    Pedro já nasceu com cara de homem, grande, forte, sisudo... Nunca teve a aparência frágil de um recém nascido. Um menino astuto, inteligente, sagaz e com um enorme dom para as artes, além de arteiro, é claro!
    Pedro trouxe com sigo um novo significado de “amor sólido” e hoje apesar da sua saúde frágil, é a nossa rocha.
     Na mesma época do nascimento do Pedro, descobri também o valor de um filho que não se formou em meu ventre, mas que fez parte de mim...
     Guilherme, sobrinho-filho que alimentei com meu leite e cuidei com o amor de uma mãe, é preocupado com o bem estar de tudo e de todos; é responsável, zeloso, perspicaz, protetor... Jamais conheci uma criança tão generosa!Um exemplo de amor agregado a nós, que uno em nossa família é praticamente um irmão gêmeo do Pedro.
     Após a separação, tentei reconstruir minha vida ao lado de um homem em quem encontrei abrigo e consolo por tantas frustrações de um casamento falido. E após algumas pressões psicológicas por parte dele, que queria muito ser pai novamente, engravidei... Mas aos cinco meses de gravidez ele decidiu que não queria mais ser pai e nos abandonou...
      Raquel, a pequena flor já desabrochara em meu ventre... Como não amá-la? Como não desejar a sua vinda para protegê-la em meus braços apesar de todas as dificuldades?
      Quão abençoada fui... pois se Marina veio para ser meu porto, Pedro  para me dar forças, e Guilherme como um anjo de luz, a  Raquel veio para me fazer guerreira!
      Quando ela nasceu, minha força foi revigorada, o desejo de lutar e vencer tomou-me e transformou-me em uma mulher independente.
      Raquel é uma menina rodeada de amor... mimada, com a feminilidade e o extinto materno aguçado, adora maquiagens, batons, esmaltes, bonecas e  quanto mais cor-de-rosa melhor. Gosta de poesia como a mamãe e quer ser poetiza, agora que já aprendeu a ler e a escrever, até arrisca alguns versinhos!
      E assim, seguiram os anos...  eu, autora da suprema poesia de ser mãe de quatro maravilhosos filhos!!!
      Até que conheci um homem que realmente me fez plena, que me amou como sou e com toda a minha bagagem, e que principalmente, amava e respeitava meus filhos também... e a vida me surpreendeu com mais dois pequeninos, Yasmim e Alexandre!
      Yasmim, já veio pronta, aos seis anos... E eu a amei desde o primeiro momento que a vi! Era madrugada, e ela dormia em sua caminha na casa da vovó Ivonete... o sono dos anjinhos... eu me encantei... e quando ela se juntou a nós, todos fomos tomados por um sentimento de encantamento!
      Yasmim é uma flor, como no significado de seu nome. É esperta, amorosa, inteligente, e com uma disposição de 220 voltes.  Tem a mesma idade da Raquel e formam uma dupla dinâmica de irmãs e melhores amigas! Uma é um presente na vida da outra!
      Alexandre se formou em meu ventre em uma gravidez inesperada, não planejada, de alto risco, porém, completamente abençoada!
      Depois de sete anos, quem diria... lá estava eu grávida novamente!
      Ele nasceu pequeno, prematuro, para se tornar grande!
      É lindo, esperto, aprende tudo muito rápido e tem um sorriso capaz de afastar qualquer tristeza!
      Alexandre o grande, trouxe um novo sentido à palavra “família”.
      Família!!! Seis filhos lindos, gerados em épocas diferentes, de pais diferentes, de mães diferentes... e isso nos torna especiais, diferentes, felizes, perfeitos, surpreendentes aos olhos de todos  que nos olham!

E foi ele...

E foi ele...
Feliz...
Reencontrar lembranças,
Refazer caminhos,
Contar histórias...
Eu fiquei...
Sempre fico.
E espero...
Depois acompanho seus passos em fotografias
E ouço suas novas histórias
Dos mesmos lugares onde nunca estive...
Sempre fico.
Fico assim... Meio vazia...
Porque parte de mim sempre o acompanha.
Mas quando ele volta...
Que alegria!

O tempo




Tanto tempo passou
Para que o tempo exato começasse...
Tempo que de tão longe me fez madura,
Tempo que de tenta espera me fez rugas...
Tempo que apagou dores,
enxugou mágoas,
deletou falsos amores.
Tempo que deixou sementes...
Tento tempo passou
Para que o tempo exato começasse...
Tempo que hoje é presente,
Tempo real eloquente...
Tempo que é meu e que é seu
O exato tempo da gente.

26 de abr de 2013

Primeiro amor


Precisava ver a alegria dele!
Aquela cara de bobo ao se dar conta
De que ganhou sua primeira bonequinha...
Seus olhos azuis brilhavam,
Vertiam coraçõezinhos
E refletiam os olhinhos azuis dela!
Ela, pequena, branca e frágil como porcelana.
Ele, ainda menino,
Mas homem o bastante
Para zelar pelo seu tesouro feminino!