12 de jul de 2012

O encontro



Não sei se a música que tomara meu corpo naquela ocasião,

Vinha do samba, ou do som da sua voz que soava como um convite à aproximação.

Não sei se foi à bebida forte,

O ponteiro da bússola apontando ao norte,

Ou apenas o destino me dando um golpe de sorte...

As bocas unidas sem sequer saber o nome,

O encontro do mais feroz apetite com a voracidade da fome,

O Universo conspirando pra fazer de ti, o meu homem.

Foi a junção de todos os elementos

Em um único lugar, em um só momento...

O vento varrendo os planos passados,

Todo o nosso futuro sendo modificado...

Um reconhecimento tamanho,

Que tudo que me era novo, não me era estranho,

Como um espelho que refletisse a alma,

Eu pude ver o reflexo do fogo, em corredeiras calmas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário