31 de ago de 2009

Ao Estado, o nosso espírito


A poesia dos Deuses inferiores
Quebrou as correntes da nossa ignorância!
Não queremos mais feitores!
Guarde para si a sua arrogância,
Somos livres agora!
Irmãos guerreiros de Angola
Nesse quilombo chamado Periferia
!
Quem diria?...
É o milagre da poesia,
Recrutando
homens de casas simples
E de almas bravias
A vigiar a paz
Noite e dia
Para que não haja mais guerra
.
Graças a um anjo torto
Aprendemos a caminhar
com o sorriso no rosto,
E com os punhos cerrados!
E agora Estado,
Eis o nosso espírito!
O estado em que nos colocou...
Somos a Periferia unida
Pelo amor, pela dor e pela cor...
Agora,
Somos rocha,
Onde a vida queria grão de areia,
As flores que brotaram no lixão
...
O fruto de um jardineiro louco, desacreditado
Que dispensou a nós toda a sua dedicação.
E agora Estado,
Depois de nos dar migalhas
Quer comer do nosso pão?
Nos
botecos de esquinas,
A vida não acontece por decreto

E a Arte que liberta
Não pode vir da mão que escraviza...
O sonho socializado
Se tornou real
E
no sonho,
O dinheiro foi morto no combate com o amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário